IELTS – Dicas de Estudos

keep-calm-and-study-hard-4873_1

Bonjour, meu povo!

Meu último post foi sobre como funciona a prova do IELTS. Se você não leu, clica aqui e vem conferir uma explicação detalhada com Diquinhas da Bia!

A última prova que fiz neste estilo foi em 2003 (PET). Desde então nunca mais peguei uma prova dessas para fazer, testar ou qualquer coisa do tipo. Na época, eu só consegui me inscrever para a prova por causa das vagas remanescentes que foram disponibilizadas exatamente 1 mês antes da prova. O que eu consegui fazer foi: aula particular de 2 horas por semana até o dia da prova.

Nas aulas eu fazia Speaking, Reading e um poquinho só de Listening. Era o milagre que dava para fazer em 6 horas de aula até a prova. O writing eu tinha me conprometido em fazer em casa, o que eu não fazia. Por isso (também) que me ferrei na prova.

Uma coisa é você falar em inglês em reuniões, escrever e-mail para clientes, apresentações que você geralmente tem um tempo BEM considerável para refletir, esperar vir a inspiração e fazer… E em apresentações, se ocorrer algum imprevisto – como uma pergunta inesperada-, se a resposta não soar tão formal, tudo bem, desde que você responda. Outra é você ter que lembrar de todas as regras em um tempo limitadíssimo, falar ou escrever sem repetir palavras, contar palavras e de forma coesa e rebuscada. Até os próprios nativos geralmente não vão muito bem exatamente pela exigência de critérios e o tempo disponível.

MINHA EXPERIÊNCIA:

O Speaking para mim foi ok. Morri de nervoso antes, mas na hora foi tudo bem. Sou relativamente comunicativa, cheguei apreensiva e sai sem saber nem o que tinha falado, mas com a sensação de que tinha pelo menos atingido uma nota aceitável.

Na semana seguinte foi a parte escrita que engloba Reading, Listening e Writing. Pensem numa prova conturbada do começo ao fim… A prova foi num sábado de dezembro/2015 e tinha horário de inicio marcado para às 12h em SP na Lapa. No momento da inscrição eles diziam repetidamente da extrema importância do documento (passaporte) e se chegasse atrasado não poderia fazer a prova.

Saí bela e formosa da baixada e fui para SP dirigindo para o local de prova. Cheguei lá bem antes do horário previsto e até consegui lugar pra estacionar na porta. Bom, ao entrar na sala, já tinha um stress do lado de fora de gente que tinha ido com CNH e RG.

Poucos minutos antes da prova iniciar perceberam que o som estava péssimo, afinal só haviam caixas de som na frente da sala em uma sala de uns 5m de largura por 25m de profundidade. Ou seja, povo da frente ficava surdo e não entendia pq o som não era nítido e o povo do fundo também entendia pq não ouvia. Os menos prejudicados eram os que estavam na minha localização, no meio, mas se fosse um listening com muitos sons (tipo buzina, trânsito, restaurante – coisas que eles ADORAM fazer) nem os menos prejudicados ouviriam direito. Pronto. Se instalou um verdadeiro MOTIM em inglês dentro da sala. Os da frente reclamando fervorosamente, os do fundo reclamando enfurecidamente e os fiscais totalmente despreparados, gritando com todo mundo e mandando a galera calar a boca com todas as letras e sem o menor tato.

Você já tá lá, consideravelmente nervoso pq afinal vc pagou uma fortuna (600 reais) pra fazer uma prova de inglês e se você está fazendo é porque você precisa dessa prova e de uma nota das boas (são poucos que falam “ah, vim só pra testar”). Ainda acontece toda essa discussão, a prova começou com + de 1h de atraso pq depois das reclamações resolveram instalar mais 2 caixinhas no meio da sala (não foi nem no fundo), – que foi mais um motivo pra motim – como que você começa a prova?! No MÍNIMO abalado né?

A prova finalmente começou e com Listening e ainda bem que não tive grandes problemas. Reading, tinham 4 textos ENORMES, o texto complexo tive que ler inteiro umas 7x para achar as respostas. Chegou a hora do Writing, faltavam 15 min pro fim da prova e eu não tinha passado o meu texto 2 (o maior) para a folha de respostas. Me bateu o desespero. Comecei a passar o texto para a folha oficial e escrevi a introdução. Me dei conta de nem tinha começado o texto 1 (o mais curto) que tinha um gráfico e falava de trovões por ano em algum lugar. Já escrevi esse texto direto na folha de respostas. Juro que não tenho ideia do que escrevi. Fiz umas analogias loucas na hora que fizeram sentido e escrevi. O texto grande e que valia mais ponto, eu só consegui escrever a introdução e metade do primeiro paragrafo. Quando mandaram largar a caneta só me vinha na mente aquela música da “Under the Bridge” do Red Hot Chilli Peppers.

Saí da prova desnorteada. Sentei no carro e chorei um choro que secou minhas lágrimas pelos próximos 3 anos. Liguei pra minha mãe que coitada, tava numa festa e eu nem sei pq liguei pq eu nem conseguia falar de tanto que chorava. Acho que foi só pra compartilhar o sofrimento com alguém.

Fui dirigindo por SP sem eira nem beira e cai na rua do meu trabalho. Ali eu parei o carro e a agilidade que eu não tive para escrever na prova eu tive para o e-mail que eu mandei para a universidade (queridinha – a francesa), contando minha triste história de que tinha me ferrado na prova por má administração de tempo. Que ainda não tinha o resultado em mãos mas sabia que minha nota em writing tinha sido péssima e que ia impactar na minha nota como um todo.Mas assegurei que nas demais havia uma nota acima de 6.5, que havia sido alfabetizada em escola bilíngue e que trabalhava em big4 há 3 anos (para quem não sabe, big4 é o nome que se dá para as 4 maiores multinacionais mundo de consultoria e auditoria tributária) e que tinha interesse na universidade, já pesquisava há um tempo e queria me candidatar o quanto antes para ela. Se eu precisasse fazer uma nova prova eu teria que correr pq em SP só tinha para Abril (e já custava 700,00 mangos).

Na segunda o diretor do curso respondeu meu e-mail falando que sentia muito pelo meu desempenho e disse para eu ficar tranquila, pois eles não tinham somente como base a nota da prova, mas a carta motivacional, eles avaliavam o conteúdo e a escrita, as cartas de referência e o CV tb para saber o seu conhecimento em inglês.

A nota do IELTS é dividida por matéria e a média geral (com notas de 1 a 9). Normalmente, no mínimo se exige uma nota de 6.5 em cada matéria e em média geral (para área de humanas). Eu tinha ctz que tinha ido muito mal na parte de writing e não esperava mais que um 3.5 na matéria.

Meu resultado da prova saiu 3 semanas depois e foi o seguinte:
Speaking – 7.5
Listening – 7.0
Reading – 6.5
Writing – 5.0
Média: 6.5
Ainda não sei como tirei 5.0 numa prova em que não lembro nem o que escrevi e com menos palavras que o necessário em um task e no outro tinha só a introdução completa. Mas se os avaliadores deram essa nota, quem sou eu pra negar?!

 Diquinhas da Bia:

  • Planeje com antecedência quando pretende fazer a prova. Se possível já se inscreva o quanto antes.

  • Faça um planejamento de estudos e cumpra. Quanto mais longe estiver da data da prova, melhor você se prepara.

  • Para aqueles que puderem pagar um curso preparatório, excelente! A Cultura Inglesa tem um curso de 1 semestre muito bom que te deixa totalmente apto. Segue aqui o link para maiores informações sobre o curso. Para os que não podem arcar, com antecedência vc pode se preparar tanto quanto. Existem vários sites, além do próprio British Council que disponibilizam simulados e cursos preparatórios grátis.

  • Existem vários vídeos e canais no youtube sobre o exame e que dão várias dicas, mostram como seria a prova e algumas provas gravadas que tiveram notas boas. Vale a pena ver para ter uma noção do que eles exigem e como deve ser feito para obter uma boa nota.

  • Na parte de Writing já escreva seus textos diretamente na folha de respostas!!!! Deve ser escrito à caneta. Se você rasurar, não tem problema. O que importa é escrever os dois textos na folha oficial com no mínimo 150 e 250 palavras.

Por fim, eu dei uma olhada em 2 aplicativos, os quais se eu tivesse tido mais tempo, teria estudado muito mais com eles:

IELTS WORDS: São palavras não tão usuais. O app é dividido em vários graus de dificuldade e tem a definição de palavras e formas de como usá-las. É como se fosse um dicionário, mas com foco em palavras que você de fato poderá/irá usar prova, deixando seu texto/fala mais rebuscada e consequentemente aumentando sua nota.

IELTS EXAM PREP: É um app dividido em preparações de estruturação de escrita, vocabulário e dicas de todas as matérias. Ajudam com vídeo-dicas de como aumentar sua nota no Speaking, que palavras usar, como enrolar se der branco etc.

O melhor de tudo, são apps grátis. O segundo permite praticar o listening, pois por ser em forma de vídeo, você pode ouvir enquanto faz outras coisas. Este foi o app que eu mais usei para ser sincera.

Ah, tem um site muito bom que é o IELTS Buddy que tem maiores informações, dicas e modelos tanto para a prova acadêmica quanto para a prova de conhecimentos gerais. Todas as informações são em inglês (obviamente).

Eu dei a sorte da universidade do meu interesse levar em consideração vários Quesitos para  aprovação, mas cada universidade tem um critério. Então, my friend, faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço! Hahahaha sério, do fundo do meu coração, evite esse desgaste e dor de cabeça. Estude com antecedência. Mudando um pouco um ditado de Direito: quem estuda mal, estuda duas vezes (e paga duas vezes o que é ainda pior).

Bisous à tous!

Blogarama - Study Guides Blogs


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s